HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

Blog sobre todos os livros que eu conseguir ler! Aqui, podem procurar um livro, ler a minha opinião ou, se quiserem, deixar apenas a vossa opinião sobre algum destes livros que já tenham lido. Podem, simplesmente, sugerir um livro para que eu o leia! Fico à espera das V. sugestões e comentários! Agradeço a V. estimada visita. Boas leituras!

My Photo
Name:
Location: Norte, Portugal

Bibliomaníaca e melómana. O resto terão de descobrir por vocês!

Wednesday, July 04, 2007

“Encontro de Amor num País de Guerra” de Luís Sepúlveda (ASA)


O título original atribuído a esta obra denomina-se Desencuentros, designação que, além de abranger, de uma forma mais precisa, todos os pequenos relatos sob a forma de mini-contos aqui reunidos que têm, como denominador comum, um sentimento predominante de tristeza e melancolia ou, mesmo, de Saudade.

Encontro de Amor num país de Guerra (na versão portuguesa) é o resultado final da recolha de textos dispersos, guardados e esquecidos, durante muitos anos, pelas gavetas do Autor, que foram, aqui, agrupados em três categorias diferentes.

Esta publicação marca o fim do período de produção literária de Sepúlveda anterior a O Velho que lia Romances de Amor.

A primeira a parte consiste, essencialmente, em desencontros que têm a ver com Amores e Desamores, ou seja, paixões que não se concretizam pela alteração radical das circunstâncias de vida a envolver todo um sistema social, que é alterado pelos reveses da Fortuna num país onde se defrontam grupos armados em representação de facções políticas opostas. Que acabam por condicionar todo o quotidiano individual, afectando os planos a curto, médio e longo prazo, mesmo no que toca ao amor e às relações próximas.

Trata-se de pequenas estórias, narrativas, construídas numa linguagem objectiva, jornalística, mas entremeadas por frases de elevadíssimo teor poético – para “esquecer a morte pão de cada dia” in Encontro de Amor num País de Guerra, a estória que dá título à versão portuguesa. Uma linguagem que traduz uma surpreendente associação de estímulos sensoriais, memórias que convergem para um ponto de intersecção perdido, algures, num tempo imaginário.

Há, em Encontro de Amor num país de Guerra, amantes que se perdem um do outro, separados pela morte, pela guerra, pelo acaso, pelo Oceano.

Ou pelo preconceito dos outros.

Há desamores para todos os gostos. Relações que se desgastam, que sofrem a erosão do tempo, equívocos, medos.

Num país em tempo de guerra há, também, Heróis e Canalhas, a segunda categoria de desencontros. Dois tipos sociais, aparentemente antagónicos, que poderão não ser facilmente identificáveis à primeira vista pois “nada é o que parece”.
Porque, do ponto de vista deste autor chileno, heróis são aqueles que suportam estoicamente a tirania dos canalhas.

Luís Sepúlveda, no seu melhor.

Pela forma como desenvolve a narrativa, o sentido do ritmo – sentido na cadência das rodas de um comboio que desliza nos carris para a terra de ninguém, outro apontamento de uma “viagem para lugar nenhum”. E, também pelos traços culturais sul-americanos que jorram da pena do Autor, desde a Música – que tem, também, o colorido da sua passagem pela Europa – até à Geografia, passando pelas lendas, vindas das civilizações antigas – Maia e Inca.

A terceira categoria de desencontros provém dos Imprevistos, que impedem os amantes ou, simplesmente, os amigos de comparecerem aos seus compromissos.

A evocação é o principal recurso utilizado para narrar estes imprevistos, frutos do acaso, seja ele de origem humana ou divina, e cuja principal consequência é um desencontro fatal. A nostalgia e a saudade, a espreitar através de uma melodia ou de uma imagem fotográfica.

Um livro onde a tónica dominante é o Bizarro e o Absurdo a interferir no destino do Homem.


Cláudia de Sousa Dias

17 Comments:

Anonymous Mel de Carvalho said...

Ehhh, hj sou a primeira. Ainda por cima, este li recentemente...

Um livro envolvente, numa narrativa aberta, actual e surpreendente.

Adorei ler e, para variar e correndo o risco de me repetir, adoro ler-te.

Votos de bom resto de semana e de fim de semana, querida Claúdia.

Beijitos d(a)e Mel
www.noitedemel.blogs.sapo.pt
www.maresiademel.blogs.sapo.pt

11:31 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Thnks, Mel!

Beijo e óptimo fimnal de semana!

:-0

CSD

11:37 AM  
Blogger inominável said...

só me faltavam os testículos agora.... é que para o grelo tb já me nomearam... bom... misogenia nunca fez mal a ninguém... e um blogue é um blogue... LOL muito me ri com o teu comentário...

5:25 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Beijo inominável!

;-)


CSD

12:08 PM  
Blogger Carol Bonando said...

Anda sumida do meu blog? O q houve?
Já sei ocupada demais, sempre fazendo um fichamento...sabe que voltei a fazer tb? Mas algo menor, comento algumas frases,deixo para depois aquele momento de reflexão só com aquelas partes mais interessantes... acho que tô piorando! hahaha
apareça...deixa um recadinho pra eu saber q vc apareceu.
O meu blog tá de cara nova!
bjs

6:46 PM  
Blogger un dress said...

este li.

e reli agora....ah magnífica!!! :)





aBraÇo... beijO

6:06 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Beijo às duas: Carol e Undress...

:-0

6:12 PM  
Anonymous Carol said...

sabia q a maioria das pedras q vc disse sao do meu signo hhehehe, sim andei dando umas lidas por aí ,e descobri esse fato.
E o passarinho como está? Espero que cuide bem dele e que ele traga muitos sorrisos para você.
Logo, postarei um novo conto, talvez quarta feira ...
beijos e volte sempre por lá...

9:59 PM  
Blogger inominável said...

dá-me outro livro...

11:05 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Que delícia, Carol!

E qual é o teu signo?

O Passarinho está bem. Temo-lo alimentado 4 vezes ao dia com bocadinhos de carne e papa insectívora e ele lá se vai aguentando. Acho que vai gostar de fazer montanhismo, da maneira como gosta de subir pelos arames, cortinas ou pela nossa roupa acima, até ao ombro...

Para já tem mesmo é de triplicar de tamanho antes de voar a sério!

Inominável, já falta pouco, só mais 140 páginas e, lá para 5ª ou 6ª, tens um novo post!

Beijo grande!

CSD

12:35 PM  
Blogger Baudolino said...

Já li há algum tempo. Gostei bastante.
Um abraço
P.

3:10 PM  
Blogger isabel victor said...

Adorei

beijo da isabel

12:54 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Isabel, já estava com saudades!

Baudolino, fico contente!

Agora estou também a tentar escrevinhar qualquer coisa de meu para o rendez-vous...


CSD

11:37 AM  
Blogger Carol Bonando said...

precisamos de um livrinho novo aki amigaaaaaaaa
bjs e boa sorte para você o passarinho!
rs*

5:58 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Tnks Carol!

Acabei agora as 600 páginas de Gore Vidal.

Amanhã ou 6ª já tens alguma coisa de novo...

bjo

Cláudia

7:38 PM  
Blogger lupussignatus said...

Já o li há alguns anos. Dele guardo imagens duplíces: o carinho e a ternura, à mistura com a tristeza e a melancolia. Encruzilhadas que Sepúlveda tão bem conhece. E descreve. Para mim, a sua escrita é a cintilação do humano.

4:42 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

É verdade!
Encontraste as palavras exactas para definir a escrita dele, Lupus!

Há alguns dele que ainda não li mas é optimo para alternar com uma escrita mais "pesada", densa.

A vantagem é a de ser lida como que come uma sobremesaque te faz bem ao organismo(neste caso à alma), mas não é calórica...

CSd

11:34 AM  

Post a Comment

<< Home