HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

Blog sobre todos os livros que eu conseguir ler! Aqui, podem procurar um livro, ler a minha opinião ou, se quiserem, deixar apenas a vossa opinião sobre algum destes livros que já tenham lido. Podem, simplesmente, sugerir um livro para que eu o leia! Fico à espera das V. sugestões e comentários! Agradeço a V. estimada visita. Boas leituras!

My Photo
Name:
Location: Norte, Portugal

Bibliomaníaca e melómana. O resto terão de descobrir por vocês!

Wednesday, March 29, 2006

“A Montanha da Água Lilás” de Pepetela (Dom Quixote)


Uma fábula para todas as idades.

A presente obra é uma belíssima alegoria alusiva aos Povos de África ou a qualquer parte do globo cujos recursos naturais se tornem imprescindíveis para a espécie humana.
Utilizando uma linguagem simples e, simultaneamente, poética, o Autor consegue fazer entender a um público tão vasto quanto possível, o processo social que leva à diferenciação de classes e, simultaneamente, a estruturação de uma economia assim como a instituição de um sistema político dentro de um dado território que comporte uma ou mais etnias.

A estória é contada no português dos PALOP utilizando o léxico e a semântica tipicamente angolanos. O Autor introduz, também, algum vocabulário da sua própria autoria – neologismos. Apesar disto, o leitor, após um período inicial de desorientação, passa facilmente a deduzir o significado deste léxico, para nós exótico, integrando-o facilmente no contexto.

Dedicado a Lueji, a filha do Autor, A Montanha da Água Lilás é um conto narrado por um ancião à luz da fogueira, em plena noite africana, cuja magia tem como objectivo deslumbrar um público sem idade.

Trata-se de um conto que nos poderia ter sido trazido de qualquer parte de África, ou até do Oriente, onde, segundo a lenda, também existe água lilás. Esta água perfumada é um produto extraordinário, vital para a humanidade, cujas propriedades têm a faculdade de eliminar todo o tipo de parasitas que infestem a pele dos lupis (habitantes da Montanha da Água Lilás) e também o humor dos seres vivos em geral.

Utilizando a água lilás como riqueza natural, que se torna necessária a todos os seres vivos, o Autor faz-nos entender o processo de estratificação social entre os lupis, a formação das profissões e a constituição dos diferentes tipos sociais que permitem que uma sociedade funcione como um todo, isto é, como um sistema social.

Da mesma forma, o Autor consegue, ao utilizar um discurso de uma candura que torna imediata a apreensão do significado de coisas extremamente complexas, mostrar-nos de que forma a água lilás consegue transformar uma economia fechada, numa economia de mercado e despoletar o aparecimento de uma sociedade de consumo.
A água lilás acaba também por ser o catalizador que leva a uma desigual distribuição da riqueza e a uma total inversão de toda uma escala de valores, possibilitada pelo desenvolvimento da economia e do contacto com outras culturas. É através desta preciosa matéria-prima que – inicialmente benéfica, mas que depois de transformada pelo (mau) uso da ciência e da tecnologia, sem ter em vista o bem comum, se torna nociva – nos é dado a conhecer o processo social que leva à elaboração de armas químicas e biológicas, com o objectivo de destruir os grupos rivais, desenvolvendo a corrida ao armamento. A água lilás torna-se assim, a longo prazo, a semente do ódio, da cobiça, da inveja e da ambição desmedida.

No meio de tudo isto, assiste-se, como é habitual na sociedade de consumo, à marginalização dos visionários – na pele de figuras tipo como o Pensador e o Poeta – que são os representantes do Idealismo. Ou seja, dos seres incómodos, que rapidamente identificam as complicações advindas de uma exploração comercial desenfreada e da má utilização da água lilás. Por outro lado, dá-se a ascensão fulgurante dos parasitas como os jacalupis, ou o triunfo dos medíocres. E assiste-se, paralelamente, ao sucesso do ávido comerciante, do sôfrego armazenista e de espécimens escorregadios e oportunistas como o diplomata e o advogado. Todos eles o retrato fiel daquilo que é a estrutura normal da sociedade.

Pepetela oferece-nos uma deliciosa metáfora social ao dotar o texto de uma sonoridade e de um ritmo tropical que lhe conferem um estilo com um encanto singular.
Mais ainda, o livro está povoado de lindíssimas ilustrações que contém em si o essencial de cada capítulo ajudando o leitor a decifrar a estória e a visualizar os lupis, lupões e jacalupis.

Uma obra deliciosa e um conto irresistível pela pureza com que é narrado. A mestria do Autor é evidenciada na transparência cristalina com que é tratado um tema tão complexo.

Por que o perfume da água lilás devolve-nos a capacidade de entender a realidade da mesma forma que as crianças: simplificando-a.

Um texto que mostra a beleza das coisas simples e a forma como a superficialidade da maior parte dos desejos onde, frequentemente, se confunde opulência com bem-estar.

A realidade sem máscaras.

Colocando o dedo na ferida.


Cláudia de Sousa Dias

10 Comments:

Blogger -pirata-vermelho- said...

EEEEH! que bem escolhido! mas difícil...
a simplicidade do pepetela começa na graça do seu nome mas acaba logo ali, na verdade do seu saber africano...

8:37 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

A quem o dizes! Sabes logo que comecei a ler percebi que tinha pano para mangas!
è um prato cheio para uma socióloga!

Beijo

CSD

5:07 PM  
Anonymous eL ñIñO said...

estou a fazer uma ficha de leitura do livro, ja tinha lido. acho fascinante o livro, da forma tao simples que Pepetela fala, tornando o livro numa obra para todas as idades...
beijos para a sociologa

4:51 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Obrigada,el Niño!

Adorei este conto de uma simplicidade tocante para explicar um fenómeno tão complexo!

beijinho

CSD

3:47 PM  
Blogger Catarina - onzEe said...

Adoro esse livro, vou apresenta-lo amanha oralmente i acreditem q me deu imenso gozo le-lo! :) * * *

9:51 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

è verdade, Catarina, a mim também!

É uma delícia ttod aquela história dos Lupis e a forma como Pepetela consegue explicar a estratificação das sociedades e algo tão com+lexo como a economia de mercado...

CSD

8:11 PM  
Anonymous Anonymous said...

achei o livro muito querido

jks****

1:18 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

è verdade, JKS.para crianças e para adultos.Mais para aultos que gostem de olhar a complexidade das coisas com os olhos simplificadores dos mais pequenos que reduzem tudo ao essencial.

Por isso, na altura, fiquei um pouco surpreendida por ter tão poucos comentários. Mas é com agradável surpresa que vejo as pessoas irem preenchendo com a sua opinião acerca de um livro que é tão cativante tanto pelo tema como pela linguagem...

CSD

12:38 PM  
Anonymous Andrés said...

olá! eu sou um estudiante espanhol de português de 17 anos e nas aulas todas as semanas lemos um pouco deste fantastico livro do genial pepetela. como somos da galiza, e o galego e o portugues são tão semelhantes, foi-nos muito facil de compreender. todos achamos muitu interesante ir vendo segundo avanza a historia como uma sociedade inicialmente ideal, sem problemas, corrompe-se pela ambiçao de terem mais e mais. verdadeiramente ilustrativo da realidade mundial e das injustizas do capitalismo.
a fabula mais grande da humanidade non podia proceder doutro lugar que de onde tem a sua origem, ainda que seja marginada por tudo o mundo rico!

8:49 PM  
Blogger xenevra said...

Eu sou a professora do Andrés e outros muitos estudantes de português na Galiza. É o nosso primeiro livro de leitura e com ele não só apreendemos o português, também gozamos da leitura e descobrimos o vocabulário das frutas e árvores angolanas ;)
Obrigada por este magnífico post e obrigada ao Andrés por trazer-me até aqui

1:37 AM  

Post a Comment

<< Home