HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

Blog sobre todos os livros que eu conseguir ler! Aqui, podem procurar um livro, ler a minha opinião ou, se quiserem, deixar apenas a vossa opinião sobre algum destes livros que já tenham lido. Podem, simplesmente, sugerir um livro para que eu o leia! Fico à espera das V. sugestões e comentários! Agradeço a V. estimada visita. Boas leituras!

My Photo
Name:
Location: Norte, Portugal

Bibliomaníaca e melómana. O resto terão de descobrir por vocês!

Monday, March 10, 2008

“Orgulho e Preconceito” de Jane Austen (Europa-América; Planeta DeAgostini)


Orgulho e Preconceito é um dos romances mais mediáticos de Jane Austen, facto que poderá estar relacionado com a adaptação a diversas obras de cinema e televisão. Mas fascínio deste romance reside não só numa extraordinária capacidade de observação e acutilante sentido crítico – visando sobretudo, uma aristocracia rural e burguesia em ascensão – mas sobretudo a um detalhado estudo de caracteres de algumas figuras-tipo inseridas num grupo muito específico, por sua vez integrado numa dada época histórica. Mais propriamente nas primeiras décadas do século XIX, de onde resulta que o conflito presente no romance é o espelho das consequências a longo prazo dos acontecimentos que se sucedem à Revolução Francesa, traduzindo-se na mudança das mentalidades no que toca à mobilidade social de uma Inglaterra bucólica onde se começa a fazer sentir o domínio do Liberalismo, não só na economia mas também numa maior flexibilidade da estrutura social e também dos padrões de conduta e culturais…

Logo no primeiro capítulo, a Autora começa por fazer a descrição da mentalidade dominante no Hertfordshire, quando o narrador se refere às expectativas da vizinhança, sempre que um jovem solteiro e de rendimentos acima da média vem ocupar uma das propriedades das redondezas…

Também, logo na primeira página, é definido o carácter e o temperamento dos dois cônjuges que lideram a família nuclear, sobre cuja situação precária se debruça a narrativa.

O Sr. Bennet era um misto tão extraordinário de petulância, sarcasmo, reserva e capricho que a experiência de vinte e três anos não bastara, ainda, para a mulher compreender o seu carácter.

Por seu lado a mentalidade dela (o uso do pronome implica por si só uma desvalorização) era bem menos difícil de revelar. Tratava-se de uma mulher de inteligência medíocre, cultura rudimentar e temperamento incerto. Quando irritada procurava refúgio nos nervos. A principal ocupação da sua vida era casar as filhas e o seu passatempo preferido, as visitas e os mexericos.

E está dado o mote para o desenvolvimento da narrativa. Esta seria de uma simplicidade folhetinesca não fosse um pormenor: a lei do morgadio. O livro pode ser considerado como o apontar de um dedo acusador ao carácter abusivamente discriminatório de uma lei que impede as mulheres de herdarem os bens ou as propriedades da família, os quais, na falta de um herdeiro directo varão, passariam para o parente masculino mais próximo - um primo, por exemplo – colocando as descendentes directas numa situação financeira bastante complicada quando não bem próximo da indigência. Ora, os Bennet têm cinco filhas, o que faz antever uma situação deveras grave em termos de futuro e segurança financeira. Isto explica, em grande parte, a urgência e a compulsividade da Sra. Bennet em organizar bailes, com o fito de procurar cinco noivos para as filhas, de preferência com rendimento apreciável.
O retrato da família Bennet prossegue com a apresentação das irmãs mais novas: Lydia, cuja infantilidade e teimosia, aliadas ao excesso de energia de uma adolescente pujante, a tornam num ser praticamente indomável, será o elemento desestabilizador do romance, sem ser propriamente uma vilã.

Kitty, pouco mais velha do que Lydia, é extremamente influenciável, chegando a tornar-se um pouco impertinente; há, nela, uma necessidade evidente de aprender a dialogar e, sobretudo, a escutar os outros mais atentamente de forma a desenvolver a sensibilidade necessária para não se tornar inconveniente.
Ambas as irmãs mais jovens são alvo da ironia acutilante do pai, à qual Kitty se mostra sensível, embora se refugie amiúde no papel de vítima, enquanto que Lydia se mostra totalmente indiferente, não só devido ao feitio arrogante, mas também a um certo grau de obtusidade.

O pedantismo de Mary é, por seu lado, violentamente atacado pelo sarcasmo virulento do pai que não suporta a vaidade de uma filha que quer aparentar ser possuidora de um talento musical ou de um nível cultural, na época invulgar para uma mulher, mas que, na prática, se limita a repetir citações carregadas de um moralismo desadequado ás situações ou a infernizar os ouvidos dos convivas com prolongadas e ruidosas execuções ao piano…

O carácter das duas irmãs mais velhas é estrategicamente ocultado, nos capítulos introdutórios, para ser detalhadamente explorado ao longo de toda a narrativa.

A Autora passa, de seguida, à análise dos dois protagonistas masculinos da trama: o afável Charles Bingley e o aristocrático Fitzwilliam Darcy.
Bingley é um jovem belo, distinto, bem-humorado e sociável, mas ingénuo. Já Darcy chama a atenção pela alta e elegante estatura, traços formosos e porte desenvolto. Mas as restantes qualidades atribuídas aos dois cavalheiros, captadas através dos murmúrios durante um baile, são associadas aos rendimentos de ambos, o que os transforma em dois jovens altamente elegíveis para as famílias onde haja jovens solteiras.

No entanto, Darcy acaba por perder a popularidade inicial pela exibição permanente de um ar de enfado, uma indiferença entediada face a tudo e a todos, atitude que o torna antipático aos olhos de quase toda a gente, sobretudo aos utilizar expressões do género gente como esta.
Relativamente ao ideal feminino de Darcy, este está situado numa fasquia tão elevada que o faz desdenhar, de uma forma algo precipitada, a segunda das jovens Bennet, Elizabeth, referindo-se-lhe nestes termos, em conversa com Bingley:

É razoável, mas não suficientemente bonita para me tentar. Aliás, de momento, não me sinto na disposição de consolar as jovens que outros desdenharam.
A extrema arrogância desta atitude inicial reflecte-se, ainda, na falta de cuidado em ser evitar ser ouvido pelo objecto destas mesmas afirmações, facto que irá desencadear todo um conjunto de reacções negativas por parte daquela personagem.

Elizabeth, possui, na realidade, uma figura bastante agradável, sublinhada pela prática regular de exercício físico, como longas caminhadas. É mais esguia do que Jane, que exibe formas mais voluptuosas. É possuidora de uma beleza mais discreta, menos radiosa do que a da irmã. O rosto não é perfeitamente simétrico, mas nele sobressaem um grandes e luminosos olhos negros, apesar da tez, menos pálida do que o exigido pelos cânones da época…A jovem é, também, detentora de um refinado sentido de humor, feitio alegre e brincalhão “capaz de tirar partido das situações mais ridículas”. É também dotada de grande generosidade e demonstra um amor profundo pela irmã mais velha, Jane.

A personalidade de Jane é mostrada através do olhar de Elizabeth, segundo a qual ã irmã favorita teria uma capacidade ampla de mais para gostar das pessoas”, que nunca vê mal em ninguém aproveitando o que há de bom nas pessoas para torná-lo ainda melhor, sem dizer nada sobre o mal. E também através da própria Jane: Procuro não me precipitar, no juízo que faço das outras pessoas; mas digo sempre o que penso. A candura e a tolerância de Jane são duas características que, mais tarde, a impedem de fazer um juízo enviesado em mais do que uma personagem – um enviesamento ao qual Elizabeth não consegue escapar, devido a uma perda temporária de objectividade. Elizabeth possui, contudo, um sentido de observação mais frio do que Jane, mais penetrante, devido a um temperamento menos dócil do que a irmã e a um sentido crítico marcado por uma forte impessoalidade, duas características que a impedem, normalmente, de se sentir afectada por adulações. É notório, também, o facto de Lizzy possuir uma melhor auto-estima do que a irmã, mais carente, dotando-a de maior independencia nos juízos que emite.
A untuosidade hipócrita das irmãs Bingley que pretendem a ascensão à aristocracia tentando esconder a origem da fortuna da família no comércio, não escapa ao olhar de lince de Elizabeth. As duas snobs incentivam o irmão a adquirir grandes propriedades que sejam depois frequentadas por gente da categoria de Darcy…

Entre Bingley e Darcy existe uma sólida amizade, apesar dos feitios opostos. Bingley cativa Darcy pela brandura, franqueza e docilidade de carácter. Por outro lado, o jovem deposita total confiança quer no juízo quer na opinião do jovem aristocrata. Contudo em inteligência, Darcy superava-o.

Ambos são, na realidade, o espelho das duas irmãs, Elizabeth e Jane, o que faz prever o final do romance. No entanto, as quatro personagens principais são de tal forma, modeladas, que se torna sempre aliciante percorrer as cerca de quatrocentas páginas da obra de Jane Austen, detendo-nos nos meandros dos processos psicológicos, das atitudes externas, gestos, expressões…

Para além do núcleo da família Bennet, em Longbourn e dos vizinhos em Netherfield, há uma extensa lista de personagens pitorescas em Orgulho e Preconceito, dissecadas pela análise da Autora.
Por exemplo, Charlotte Lucas, a amiga de Elizabeth que faz um casamento de conveniência com um homem que lhe é claramente inferior, tanto em inteligência como em carácter, em nome da segurança ou estabilidade financeira. Com vinte e sete anos, nas primeiras décadas do século XIX, uma jovem era considerada uma solteirona. Além disso, a falta de atributos físicos em Charlotte – largamente compensados por uma inteligência invulgar, mas uma característica muito pouco valorizada numa jovem de classe média sem dote – e a ausência de sentido romântico nas relações entre casais, levam-na a encarar o casamento como fonte de rendimento e forma de escapar a um futuro de indigência. Um ponto de vista fortemente contestado por Elizabeth. É aliás, notória em Jane Austen a preocupação em frisar, em toda a sua obra, o direito de uma mulher escolher o próprio marido e casar por amor ou motivada por afinidades intelectuais ou, ainda, de temperamento. Convicção que se reflecte expressamente nas observações de Elizabeth, que se convence que a amiga se anulará por completo com tal casamento. Charlotte consegue, contudo, minimizar esta tendência ao evitar, tanto quanto possível, a convivência com o marido.
Mr. Collins, o noivo de Charlotte, é também o primo dos Bennet que herdará Lonbourn, é outra das figuras tipo criticadas por Jane Austen. Mr. Bennet mostra-o como uma mistura de pretensiosismo servil, untuosidade e com um talento invulgar para a adulação, presunção, orgulho e falta de humildade.

A sua carta denuncia um misto de subserviência e auto-importância que promete muito.

Inicialmente, Mr. Collins aparece em Lonburn com o objectivo de casar com uma das irmãs Bennet, querendo compensá-las pelo facto de um dia vir a despojá-las da herança. No entanto, vê-se forçado a desistir, ao ser preterido pelas duas mais velhas (e mais interessantes) o que acaba por originar um certo atrito entre Elizabeth e Mrs. Bennet a qual gostaria de conservar a propriedade e os seus bens para os seus descendentes directos, pelos menos durante mais algumas gerações. A intervenção do Sr.Bennet, que não tem quaisquer pudores em desautorizar a esposa, vem sanar definitivamente a questão.

O romance prossegue enquanto nos damos conta do crescente interesse de Darcy por Elizabeth, de que só nos apercebemos de forma indirecta, através de olhares e dos subentendidos nas entrelinhas. É aqui que Jane Austen exibe a qualidade da sua escrita que é, realmente, superior.
A fleuma de Elizabeth deixa Darcy sem palavras ao criar um contraste flagrante com a adulação de Miss Bingley. Esta não consegue encontrar um tema mais interessante para cativar a sua presa do que elogiar a sua caligrafia, chagando ao cúmulo de arrastar Elizabeth para passear-se juntamente consigo na sala, diante do jovem numa tentativa desesperada de combater a indiferença do pretendente, criando um efeito contrário àquele que pretende. Apenas consegue que Darcy lhe repare no chicote do cinismo quando se refere àqueles que não estão presentes.

O vilão - o falso e o verdadeiro

O aparecimento de George Wickham, filho do antigo intendente da propriedade de Darcy no Derbyshire, traz um volte-face à história.
Os seus modos sedutores encantam as pessoas com quem contacta. Consegue cativar, inclusive, Elizabeth que vê, nas atenções dele para consigo, o oposto daquilo que inicialmente viu em Darcy.
Wickham e Darcy detestam-se com uma antipatia mútua e antiga, com raízes na infância.
Elizabeth repara que os dois se evitam e ficam perturbados ao frequentarem os mesmos locais. A jovem sente uma curiosidade irresistível em descobrir a origem desta animosidade.
Wickham aproveita-se do facto para difamar Darcy, por quem nutre um forte sentimento de inveja e fá-lo de forma bastante convincente, confirmando a opinião já decididamente negativa de Eliza Bennet, limitando-se a contar só o que lhe interessa por um lado, e destruindo a credibilidade dos aspectos positivos conhecidos publicamente acerca da personalidade do rival pelo outro, projectando nele os próprios defeitos. Uma obra-prima digna de um grande mestre da mentira…

Lady Catherine de Bourgh, tia de Darcy é a típica aristocrática da velha guarda, do Antigo Regime, cuja arrogância raia a grosseria e a inconveniência. Durante o curto período de convivência em Rosings, propriedade vizinha à dos Collins, onde vive a velha senhora, Elizabeth tem a oportunidade de sentir-se vingada face às duras críticas tecidas por Darcy relativamente ao comportamento de alguns membros da própria família…

A opinião de Elizabeth acerca de Darcy torna-se cada vez mais negativa, sobretudo após tomar consciência da influência que este exerce relativamente ao afastamento de Bingley e Jane. O que ajuda bastante a rejeitar a primeira proposta de casamento de Darcy, o qual fica mortificado e surpreendido com a recusa…

A falta de diplomacia de Darcy, que Wickham exibe em excesso e que esconde a sua falta de carácter, prejudica fortemente o primeiro, cuja integridade continua a permanecer na sombra…

No entanto, após a saída de Darcy, Elizabeth tem uminexplicável ataque de choro o que acaba por confirmar as suspeitas de Charlotte cuja perspicácia não deixa de reparar que a opinião de Elizabeth acerca de Darcy seria muito mais favorável se ele não a tivesse desdenhado.

No entanto, só após a recepção de uma carta de Darcy, na qual este põe a nu a verdadeira personalidade de Wickham, Eliza começa a analisar mais detalhadamente a conduta deste último e a posição dos pratos na balança inverte-se subitamente…principalmente a partir do momento em que verifica que as afirmações de Darcy são fundamentadas em provas concretas e testemunhas cuja idoneidade é inquestionável.

Logo a seguir, os acontecimentos precipitam-se no sentido de apressar o desfecho da trama.

Há, ao longo de toda a narrativa várias figuras que se apercebem da paixão crescente de Darcy por Eliza. Desde Charlotte, na altura em que este visita a residência paroquial, sem nenhum motivo aparente, uma vez que não possui quaisquer afinidades com os Collins, a Mrs.Gardiner, aquando da visita a Netherfield.
Na realidade, a timidez de Darcy prejudica-o ao esconder a sua verdadeira personalidade mascarando-a sob uma capa de frieza e orgulho de classe.

A própria Elizabeth encarrega-se de colocar as coisas no seu devido lugar quando, em conversa com Mr. Wickham, dispara: Mr. Darcy ganha muito em ser conhecido.

Eliza chega, inclusive, a aperceber-se de que Wickham não é tão bem formado quanto seria desejável sobretudo quando tem a oportunidade de compará-lo com a integridade de pessoas como, por exemplo, o Coronel Fitzwilliam – um pouco menos amável, ou melífluo mas, sem dúvida mais bem formado que o primeiro.

E, assim as peças do puzzlle vão-se encaixando…

…uma a uma.

O que resulta uma obra notável de uma escritora do princípio do século XIX, que exibe, nas entrelinhas de uma prosa acessível, uma inteligência invulgar e uma personalidade extemporânea, mais característica da segunda metade do século XX, do que propriamente na época em que viveu…

Cláudia de Sousa Dias

37 Comments:

Blogger CNS said...

Excelente surpresa, este blogue!

Assim como foi delicioso recordar, um dos meus titulos favoritos de Jane Austen, assim como a minha persogem favorita, pela diferença que marca entre o feminino da época: Lizzy Bennet

2:11 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Sem Dúvida!

Obrigada pela visita, a porta está sempre aberta aqui no meu pequeno mundo dos livros!

Abraço


CSD

12:13 PM  
Blogger isabel mendes ferreira said...

:) muito escreve "esta menina" de largo sorriso...:)


bom dia!!!!!



gostei de ler. gostei do "norte".

gostei e gostei e re.gostei. e prontos!!!!!

1:38 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

:-))

Obrigada!Também gostei muito de conhecer a Isabel e a Alice, de rever a Bandida e a Ana Paula...

Quanto ao livro, não sei o que aconteceu, desta última vez demorei imenso a ler o livro...Talvez pelo facto de saber que tinha uma tertúlia para moderar sobre a obra, senti mais a necessidade de a dissecar.

Vou ter de arranjar o mais depressa possível é o Dr.Jivago de Boris Pasternak - tanto o livro como o DVD - e também A Selva de Ferreira de Castro...

CSD

3:52 PM  
Blogger isabel victor said...

Esta porta sempre aberta à escrita e aos abraços ...


aos sorrisos :)) A Norte tudo de novo ! Contigo ...


Um beijo * CSD

10:57 PM  
Blogger isabel victor said...

A Selva de Ferreira de Castro...

Sim ...


Bj* Claudia

10:58 PM  
Blogger totoia said...

Jane Austen é uma das minhas escritoras preferidas. Quanto a Orgulho e Preconceito, em tempos a 2 passou uma série excelente da BBC, baseada nesta obra, com a melhor representação de Mr Darcy que já vi até hoje. Bem que a podiam repetir.

11:57 PM  
Anonymous Anonymous said...

Descobri este blog este ano...
Uma descoberta virtual, excelente, sobre leituras reais. Parabéns.
Se me permite uma sugestão... a possibilidade de se poder pesquisar no blog os livros que aqui apresentou e apresenta.
Ana Paula
Évora

12:52 AM  
Blogger Vanda said...

E eu gosto de ver a "minha" Maga (Isabel) assim tão bem lida :) de sangue e seda. sim. sempre. É um fascinio, não é? :) A mim, ambas, Isabel e Alice me fascinam há dois anos. Amarras que nem o tempo nem marés vivas destroem.



Beijo de bom dia, Claudia!

11:35 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Um beijo para ti também, Isabel V!

CSD

7:08 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Concordo totalmente contigo, Totoia...o Colin Firth é imbatível!

Além do mais Eu não me importava nada de contracenar com ele, seja em que papel for!

Um beijinho...

CSD

7:10 PM  
Blogger Roberto said...

Ciao passo per un saluto doveroso per un amica così lontana.
Un bacio
Roberto

2:15 PM  
Blogger cljp said...

O Dr. Jivago lembra-me sempre o Palombella Rossa de Moretti (acho que escrevi bem os nomes todos).
Já li O&P há muito tempo. Soube bem 'reler' pelas palavras da Cláudia.
Um abraço

6:44 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Vou tentar descobrir como se faz, Ana Paula!


CSD

6:45 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Ti baccio con tenerezza; Roberto!

Grazie per visita...


CSD

6:46 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Moretti não li,cljp!

Mas não, não te enganaste...

Beijo


CSD

6:47 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Que giro, Vanda...

Este ano estiveste em Famalicão?

Não te identifiquei...


CSD

6:48 PM  
Blogger Ana said...

li o livro há muitos anos, ao mesmo tempo que via a série da BBC na RTP2. Adorei o livro: o magnífico Mr. Bennet, o insuportável/asqueroso Mr Collins, a Lizzy tão diferente das restantes mulheres retratadas...
Adorei a série da BBC, uma adaptação extraordinária, e o Colin Firth será sempre o Mr Darcy;)

1:47 AM  
Blogger inominável said...

toda a gente diz o quando escreves! eu acho que seria mais próprio elogiar o quanto lês...

conheces a Taslima Nasreen? Sabes se está traduzida em Portugal? Comprei um "monte" (em sentido literal) de livros dela... Tenho um carinho especial por escritores fathahdos, que continuam a escrever apesar de todas as perseguições... vou ler em FR, azar!

6:11 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Tens toda a razãao,Ana!

Inominável, eu também! Cuidado é para não te apanharem com caricaturas de Maomé ;-)

CSD

8:52 PM  
Blogger Nilson Barcelli said...

Gosto dos romances do tempo dos morgadios...

Fizeste mais um excelente trabalho neste post. Parabéns.

Boa Páscoa, beijinhos.

1:06 AM  
Blogger alice said...

boa noite, claudia, gostava de te agradecer os teus comentários no meu blogue, se possível por email. gostei muito das tuas palavras. já agora, estive a ler os comentários (vi o filme mas não li o livro), e gostei de saber que a vanda já te conhecia aqui do blogue. mais uma bela afinidade. mas ela não esteve em famalicão. temos de a convidar no próximo ano ;) beijinho grande.

12:58 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Obrigada, Nilson...vou dar um saltinho ao Nimbypolis já daqui a bocadinho...


CSD

11:37 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Tens toda a razão, Alice!

Um beijinho


CSD

11:39 AM  
Blogger Rui said...

Ler-te, também.

Abraço.

1:00 PM  
Blogger Pedro said...

Estou para comprar este livro há muito tempo, pode ser que seja para a próxima... Mas são tantos! =S

9:33 PM  
Blogger inominável said...

posso citar este blogue num artigo que estou a escrever para um congresso? informações em http://portugueslestrangeira.blogspot.com/

11:01 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

ès um querido, Rui...!

CSD

1:03 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

è sempre difícil decidir...Mas Jane Austen é sempre uma boa aposta...


CSD

1:04 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

claro que sim, Inominável!


Beijinho grande!


CSD

1:04 PM  
Blogger Claudinha said...

Olá amiga! Um grande livro, gerou até filme! Eu o adquiri há algum tempo e reli depois. O autor conseguiu me ambientar na época e na trama! Bela escolha e análise!
Beijos!

9:37 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

A Jane é muito boa, sim...!

Beijo


;-)


CSD

8:29 PM  
Blogger -pirata-vermelho- said...

Europamérica & Deagustini ...
e está bem traduzido, Cláudia,
ou
foi preciso o costumeiro ping-pong da retroadivinhação-retradução?

11:57 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

A versão que eu li não está mal, Pirata...è a versão completa da Europa-américa cedida à "Planeta..."; Só que a Europa-América tem duas: uma integral e outra compactada que essa sim está uma desgraça...

Eu vou ter de comprar o "Dr. jivago", que traduzido, só existe na Europa América...vamos lá a ver o que é que sai...


CSD

11:52 AM  
Anonymous lilith said...

adorei todo o resumo da obra e seus comentarios sobre o mesmo. Por enquanto so vi o filme, mas com o que li aqui me interessei muito mas pela obra de Jane austem que pelo meu ver explora muito as caracteristicas psicologicas dos personagens, o que é otimo

lilith-it.blogspot.com.br

4:47 AM  
Blogger Elo said...

Ola!
Meu nome 'e Eloisa e estou assistindo " Orgulho e preconceito" . Eu assisti essa semana um filme que conta a historia da autora Jane Austen " Becoming Jane" 'e muito linda a historia dela! Enfim, Quero ler o livro " Orgulho e Preconceito", mas vou terminar o filme primeiro! Obrigada pelo seu blog, 'e muito interessante!
Eeijos
Elo

11:19 PM  
Anonymous Anonymous said...

oi meu nome é amarilis eu sou apaixonada pela literatura... eu assisti ao filme amor e inocÊncia ontem e adorei. mas estou com um problema, cita o nome dos 6 livros de Jane Austen, eu estou louca para lê-lo, mas não acho em lugar nenhum, se você puder entrar em contato comigo me mandando a narrativa deste livro eu ficaria muito agradecida.
beijos de uma criança apaixonada por livros.
Meu email é "amariliscampanini@hotmail.com"

4:31 PM  

Post a Comment

<< Home