HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

Blog sobre todos os livros que eu conseguir ler! Aqui, podem procurar um livro, ler a minha opinião ou, se quiserem, deixar apenas a vossa opinião sobre algum destes livros que já tenham lido. Podem, simplesmente, sugerir um livro para que eu o leia! Fico à espera das V. sugestões e comentários! Agradeço a V. estimada visita. Boas leituras!

My Photo
Name:
Location: Norte, Portugal

Bibliomaníaca e melómana. O resto terão de descobrir por vocês!

Monday, July 18, 2011

"Salomé" de Oscar Wilde (Planeta Agostini)


Tradução de Isabel Barbudo


O Amor no limiar da Loucura, num vórtice passional onde se fundem as mais primitivas pulsões, recalcadas no inconsciente humano.

Oscar Wilde parte de uma história bíblica para a construção de uma belíssima peça de teatro, escrita originalmente em Francês. A estreia contou com a interpretação da mítica Sarah Bernhardt como protagonista.

A obra foi proibida em Inglaterra, tanto no tocante à publicação como à sua exibição em salas de espectáculos, por influência da ala protestante e conservadora no Parlamento que não permitia a representação de personagens da Bíblia.

A Salomé de Wilde obra é de de um dramatismo pungente, pela intensidade das emoções vertidas pelas personagens que intervém na trama, sendo pelo contrário, entusiasticamente aplaudida e aclamada na Cidade-Luz.

Olhando a obra do ponto de vista psicanalítico podemos, talvez, inferir que a construção do perfil psicológico das personagens nela contidas reflecte a controversa sexualidade do autor, isto é, uma homossexualidade camuflada, a par de uma misoginia mais do que evidente.

A corroborar o facto, podemos observar que todas as características do ideal de beleza física deWilde estão presentes na figura de João Baptista que é, para o autor, o (seu) verdadeiro objecto de desejo enquanto que este (Wilde) se projecta na figura de Salomé como a personagem que seduz, possuidora da aparência física que ele próprio idealiza como fazendo parte do eterno feminino e que ele próprio gostaria de poder ostentar (daí a malícia de Beardsley ao retratá-lo na imagem da perversa rainha Herodias, na célebre edição que foi destruída pelo Ãutor).

A faceta misógina do Oscar Wilde decide atribuir a Salomé a beleza de uma mulher fatal, mas diáfana, a qual ele identifica com a Lua - símbolo que personifica a ambiguidade e, simultaneamente, a fronteira entre a realidade e a loucura - facto ilustrado pelos presságios, evidentes em vários momentos deste drama intensíssimo, quando as personagens são advertidas do perigo de sucumbir à perda da razão pela excessiva contemplação da Lua (Salomé).

Porque a Lua, tal como a Princesa Real, possui uma face oculta (ao fim e ao cabo como o próprioWilde em relação à sua própria sexualidade, camuflada sob a capa de um casamento com e dois filhos). Esta ambiguidade apresenta-se em Salomé, na ausência total de limites quanto à satisfação dos seus desejos a que se opõe uma sua aparência angelical e inocente, a principal característica susceptível de enlouquecer quem por ela se deixa enfeitiçar.

Ao longo da peça vai sendo progressivamente desvendado o ambiente propício à tragédia, assinalada por presságios e pela ocorrência da morte daqueles que contemplam demasiado a figura lunar da Princesa Real. João Baptista é o único que salva a alma porque se abstém de a contemplar, agarrando-se firmemente à adoração do Filho do Homem para escapar à periculosidade da sedução feminina.

Mas não consegue salvar a vida. João Baptista cai no erro de humilhar alguém que sente a turbulência de um primeiro amor, que ele não compreende, e que se propõe a condenar sem piedade. Não esqueçamos que João Baptista é apenas humano. Não possui a perfeição espiritual de um filho directo de Deus. A Lua, que empresta a sua sedução à figura de Salomé e orgulho vingativo, na sua faceta de Hécate, reage violenta e passionalmente à rejeição, tirando a vida ao ser amado para concretizar aquilo o que não consegue realizar com ele vivo: o beijo que lhe foi negado.

Salomé, está impregnada do universo que povoa o inconsciente deste polémico autor britânico, com um complexo cocktail de pulsões, fobias, desejos ocultos, tabus sexuais e contradições que emanam do conflito entre o id, o ego e o superego do autor projectado nas personagens.

Salomé é a própria personificação do Desejo, das pulsões que são, normalmente, "castradas" pela religião, representada e defendida com uma paixão de verdadeiro fundamentalista, por João Baptista.

Uma história de amor, loucura e morte que Oscar Wilde legou para a posteridade e que obriga o leitor\espectador a reflectir acerca dos limites da paixão e da tolerância.


Cláudia de Sousa Dias

Labels:

8 Comments:

Blogger Claudia Sousa Dias said...

Comentários publicados na Primeira versão deste texto, datada de Fevereiro de 2005:



Winny said...
Parabéns pelo seu texto, é tão difícil encontrar alguém que tenha esta visão a respeito de tão bela adapatação Salomé, que Oscar Wilde reescreveu.

1:34 AM


Claudia Sousa Dias said...
Obrigada, Winny!

Este foi um dos livros que mais me deu prazer comemntar.

Há pouco tempo enviaram-me por e-mail o original publicado em francês, o qual foi poucoi depois traduzido por um amigo do Autor para a versão inglesa.

Isto porque a peça estreou com a lendária Srah Bernhardt em Paris...

Quem me dera later estado, em plena Belle Époque...

CSD

5:25 PM


Claudia Sousa Dias said...
e que aconteceu aos restantes 21 textos postados a 23 de Fevereiro de 2005?


CSD

9:18 PM


Nós na Rua said...
maravilho! parabéns adorei o seu comentário é magnífico!

1:00 AM


Claudia Sousa Dias said...
Obrigada, Nósna Rua!

é muito raro encontrar alguem que não só tenha lido este belíssima peçade Wilde como também a tenha comentado e feito sobre ela qualquer tipo de apreciação!


csd

10:47 AM

3:01 PM  
Blogger M. said...

De Wilde só li, há 2 décadas, o incontornável "Retrato de Dorian Grey" e gostei muito, sobretudo pelo imenso que se depreende nas entrelinhas!
Beijinhos e parabéns pelas sempre excelentes críticas!
Madalena

11:31 AM  
Blogger CAlves said...

Blog extraordinário, mesmo! Espero que continue!! Fazem falta blogs assim, muita falta! Descobri por acaso e cá voltarei ;)

2:35 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

obrigada...e seja bem vindo a esta pequena biblioteca virtual...

11:43 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Um beijinho, M!


obrigada...

11:44 PM  
OpenID oldconsciousness said...

Oscar Wilde é uma das paixões da minha vida, apenas para me privar de dizer a maior. É interessante é a análise que você colocou em cima dessa peça que pode parecer simples, a princípio, pelo enredo, mas, que não só analítica, como filosoficamente falando, nos rendem impressões e percepções da ideologia transmitida e interpretada pelo querido autor. É necessário frisar que desde sempre os textos de Oscar costumam abordar o assunto que tem com ênfase a beleza, e com ela, suas consequências, o que de certa forma chega a ser irônico, mas mais irônico seria que não o fosse se tratando de Oscar Wilde, não? Gostaria de parabeniza-la e agradecê-la por fazer jus a peça não apenas pela sua história, mas pelo seu contexto histórico e principalmente pelo seu autor. Numa obra com tanto coração como esta, é impossível dizer que a maior parcela deste trabalho seja um pedaço do próprio autor.

7:06 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Obrigada, Oldconsciousness...é óptimo trocar ideias e comparar pontos de vista sobre os livros. É um dos objectivos deste blogue. Para além de dar a conhecer os autores e respectiva obra. Ou chamar a atenção para este ou aquele Autor menos divulgado mas com um importantíssimo contributo para a literatura universal.

10:12 AM  
Blogger Bellatrix said...

Ola! Adorei o que escreveu! Estou num momento lindo de estudo dessa obra e do universo de wilde
Seria incrível trocar impressões c vc!

Muito me interessa também se vc puder me encaminhar esse texto em original francês e em ingles!
Seria de grande valia para minha pesquisa!

Obrigada
Segue meu email
Bellatrix.Cs@gmail.com

1:46 AM  

Post a Comment

<< Home