HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

Blog sobre todos os livros que eu conseguir ler! Aqui, podem procurar um livro, ler a minha opinião ou, se quiserem, deixar apenas a vossa opinião sobre algum destes livros que já tenham lido. Podem, simplesmente, sugerir um livro para que eu o leia! Fico à espera das V. sugestões e comentários! Agradeço a V. estimada visita. Boas leituras!

My Photo
Name:
Location: Norte, Portugal

Bibliomaníaca e melómana. O resto terão de descobrir por vocês!

Saturday, November 26, 2005

“A Insustentável Leveza do Ser” de Milan Kundera (Dom Quixote)


A acção situa-se na época da invasão da Boémia pelo Exército Russo, à qual se sucede uma autêntica revolução cultural. Os textos dos intelectuais checos são censurados, as suas casas são confiscadas juntamente com as suas bibliotecas privadas. São saneados no emprego e obrigados a retratar-se, isto quando não são sujeitos a represálias por parte da Polícia ou deportados para a Sibéria.

A intenção do Autor é, sobretudo fazer a crítica ao estilo kitsch na arte. Sobretudo na literatura, na pintura e no cinema. E, principalmente, ao kitsch comunista – a ideia formatada pela intelligensia soviética, que pretende mostrar às massas o comunismo como destino edénico, ou o fim idílico da História.


Kundera consegue ir ainda mais longe. O seu objectivo é a desmistificação do culto do Kitsch em qualquer sistema político. "Porque o Kitsch mutila a Arte. O Kitsch é a cegueira. O Kitsch é a ideia falsificada da Perfeição. É a negação dos aspectos negativos das infraestruturas que servem de suporte a uma sociedade. É a negação da existência da merda” (sic). Isto é, o kitsch é o paraíso artificial prometido quer pelos filmes cor-de-rosa de Hollywood, quer pela propaganda do regime comunista, habilmente polida, lustrada pela censura. De facto, um regime cuja censura impede a visualização ou a consciencialização dos seus aspectos negativos, só pode ser comparado a uma flor de artificial. Ou de estufa. Uma estética perfeita, mas sem perfume. Por isso, um intelectual, escritor, pintor ou jornalista dificilmente conseguirá exprimir-se livremente num regime onde a arte como veículo de canalização das emoções ou do livre pensamento é mutilada.

É por esta razão que duas das personagens principais são, ou pretendem ser, a antítese do Kitsch: Thomas, o médico e intelectual rebelde; e Sabina a pintora inconformista, de “boas famílias” que sente o impulso incontrolável de cortar com a tradição.

Sabina e Thomas sentem, por isso, a necessidade compulsiva de fazer o contrário daquilo que a respectiva família ou instituições esperam deles. O seu móbil é a procura do oposto daquilo que é politicamente correcto. Não querem ser formatados. São seres cuja atitude anti-conformista se traduz numa tentativa de chamar a atenção da opinião pública, no sentido de mudar atitudes e comportamentos: Thomas, com os seus artigos de opinião, que publica no jornal; Sabina, com a sua pintura.

A Insustentável Leveza do Ser é, por isso, um romance que trata do dilema entre a manutenção da integridade do EU e a necessidade humana de integração, o impulso de constituir aquilo que Herbert Spencer chama de “a célula básica das sociedades humanas”: a família.

Relacionado com esta questão, está o golpe de audácia do Autor em recuperar o pensamento de alguns filósofos pré-socráticos como Heraclito e Parménides adaptando-o à realidade do sec. XX.

Em primeiro lugar, o Autor apresenta-nos a problemática do “eterno retorno”, aquilo que em economia se chama de “custo de oportunidade” – ou o custo de uma tomada de decisão – que implica a impossibilidade de sabermos as consequências ou implicações na nossa vida se tivéssemos tomado a decisão oposta. O eterno retorno assenta no pressuposto de que o curso da vida não segue em linha recta, mas em círculos. Ou em espiral. O que remete para a tese de Heraclito, de que “nunca nos banhamos duas vezes no mesmo rio”.


Da mesma forma, só podemos tomar a mesma decisão uma única vez, porque a vida não permite ensaios.
Porque, para Kundera, mesmo quando surge a oportunidade de refazermos as nossas vidas, as circunstâncias, ou melhor, a conjuntura envolvente já não é a mesma. O conjunto de variáveis já se alterou. Portanto, a decisão já não é a mesma.

Por outro lado, a dicotomia entre “leve” e “pesado”, que Kundera introduz, de forma algo irónica, acerca das relações afectivas entre homens e mulheres, remete-nos para a teoria dos opostos de Parménides. Para Thomas, o médico checo dividido entre duas belas mulheres, Teresa e Sabina, trata-se de saber o que é mais importante na relação amorosa: o peso ou a leveza. Qual deles é o pólo positivo e qual o negativo?

Sabina é a beleza sensual, a leveza, a paixão, a liberdade – a paixão de Thomas pela indomável pintora tem, por isso, algo de auto-erótico, pelo facto de parecerem tão semelhantes (como se vê na cena do espelho com o chapéu-de-coco como acessório sexual).

Teresa, pelo contrário, é uma jovem de família humilde, disfuncional, problemática e extremamente carente. Esta consegue prender Thomas usando as grilhetas da compaixão. Teresa é o peso que consegue agarrar o rebelde e inconstante Dom Juan à Terra e aos laços do matrimónio.

O custo de oportunidade de Thomas só se consegue observar mediante o desenrolar da vida de Sabina – a sua alma gémea – que escolheu “a leveza do ser”, isto é, a liberdade e independência absolutas.

Ao contrário de Thomas, Sabina mantém a integridade do EU até ao final pelo facto de não se deixar prender a ninguém.
Thomas pelo contrário passa a ser influenciado e a dirigir a sua vida em função das emoções de Teresa – o abandono da carreira profissional em Zurich e, mais tarde, em Praga, quando decide retirar-se para uma aldeia no interior.

A carreira de Thomas entra em entropia devido à sua indecisão em optar entre “o peso e a leveza”: Thomas quer o amor de Teresa e quer, simultaneamente, a sua vida antes de Teresa, isto é, a sua vida de cientista sexual.

Impedido de exercer medicina pelo regime comunista, Thomas prossegue a sua carreira de investigador do comportamento sexual feminino, utilizando as suas clientes, na sua nova carreira de lavador de janelas, como cobaias.

No final, o “peso” é que acaba por dominar a vida de Thomas. O sofrimento de Teresa é uma arma poderosa de persuasão. Paralelamente, o sofrimento de Karenine, o cão de Teresa, um ser cujo amor é partilhado por ambos acaba por aproximá-los e transformar o Dom Juan em Tristão, confirmando as previsões de Sabina acerca da relação de ambos.

O dilema de Teresa é diferente do de Thomas. Teresa está preocupada com a Alma. Com o culto do EU. Inteligente e autodidacta aspira a elevar-se intelectualmente. Preocupa-a a ligação, a correspondência, de cariz algo platónico, entre o corpo e a alma. Idealista e apaixonada, a jovem sucumbe à atracção fatal de Thomas, fruto de uma série de acasos sucessivos, que ela julga ser obra do Destino ou de qualquer outra entidade superior, algo que anula o livre-arbítrio.
A sua paixão por Thomas deixa-lhe, no entanto, a alma dividida, anula-lhe o equilíbrio psíquico e desenvolve um receio paranóico de ver-se abandonada, substituída.

Franz, o namorado de Sabina, é a versão masculina do Eu de Teresa. Mas como Sabina, ao contrário de Thomas, não se deixa prender pelos afectos, Franz refugia-se na Utopia, no saber e na inteligência. Franz é aquilo no qual Teresa poderia ter-se tornado se não se tivesse fundido, isto é, incorporado a sua vida na de Thomas.

Em Franz, a autenticidade manifesta-se na sua procura pelo ideal, seja ele político, afectivo ou emocional. A Grande Marcha contra a opressão e a violência do regime comunista é regida pela devoção, pela idolatria ao seu ideal de mulher que ele identifica com Sabina. Franz admira-a por ser igual a si mesma, porque nunca tenta agradar a ninguém, ao contrário da sua própria esposa, Marie-Claude, que vive em função das aparências.

Por isso, todas as suas atitudes são direccionadas no sentido de cativar a admiração de Sabina.

A respeito deste casal, o capítulo respeitante às diferentes significações atribuídas às mesmas palavras é um autêntico tratado de psicologia no que toca à terapia de casal.

E é, sobretudo, na terceira parte, intitulada de As palavras Mal-Entendidas, que nos apercebemos da dimensão da importância das cognições (a forma como estamos programados para entender determinadas palavras) em relação ao condicionamento das atitudes dos indivíduos.

Aliás, todo o livro é terapêutico no que respeita à análise da evolução das relações amorosas, independentemente do sistema político em que estas se desenrolam.

Por todos estes motivos, A Insustentável Leveza do Ser é uma das maiores obras literárias do sec. XX,..

Um livro que se lê de forma compulsiva, de capítulos pequenos, o que torna a leitura extremamente dinâmica. A escrita é introspectiva, demonstrativa, recorrendo, por vezes, à maiêutica socrática, o que ajuda a estimular o raciocínio.

O estilo narrativo de Kundera é depurado, não há uma única palavra supérflua. Destituído de floreados poéticos, confere aos textos uma beleza (leveza) ática, que se lê com prazer.

Um livro de leitura obrigatória.

Revolucionário na forma de olhar o mundo.


Genial.

Cláudia de Sousa Dias

20 Comments:

Blogger Elipse said...

Lê-se, de facto,de forma compulsiva. Melhor ainda se a leitura for acompanhada de explicações contextuais e simbólicas. Peerfeitas. Acho que vou ler outra vez.

1:05 AM  
Blogger MRF said...

Impressionas-me mais uma vez, Cláudia. Excelente esta análise. Vontade de reler assumindo o teu prisma, aprendendo.

7:14 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Bem Diva, sinto-me corar!

És uma Querida!

Palavras, tb o teu blog se lê de forma compulsiva!

Um beijo

CSD

11:41 AM  
Blogger Maria Heli said...

minha querida: palavras para quÊ?

gostei.

sabes com que idade o li! Voltei a lê-lo. Voltarei a lê-lo :)

Depois,(sempre depois do livro) recomendo o filme. E que bem está lá uma das minhas actrizees favoritas: juliette binoche.

parabéns.

bjo e, se não for antes, até 3

1:47 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Tb já vi o filme!

O trio impõe respeito: Julette Binoche (Teresa), Lena Olin (Sabina)e Daniel Day Lewis (Thomas).

Imperdível!

La estarei no dia 3!

Beijinho


CSD

4:07 PM  
Blogger Rosario Andrade said...

Bom dia,
Ainda nao conhecia o teu blog mas fiquei presa logo a primeira!... As tuas analises sao excelentes, as realiades revelam-se nos livros que ja li, o que me da vontade de ler os outros!...
Vou voltar sempre... assim faco a minha listinha de livros a conprar quando for ao reino Luso em Dezembro.

Abracicos!

11:06 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Obrigada Rosário!

Abracicos para ti tb!

CSd

12:27 PM  
Blogger Carlos Barros said...

gosto de milan kundera, mas....gosto mais da imortalidade.

3:03 PM  
Blogger jp said...

Ai esta leveza que se me apodera, de ler assim tão facil, livros de que nem me lembrava.
E toma lá beijo Ameixaclaudia

3:15 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Outro para ti JP!

Vou já ter contigo ao teu Blog!

Até já!


Carlos, ainda não li "A Imortalidade" , mas já faltou mais!

CSD

6:07 PM  
Blogger Elipse said...

Acabei a ler de novo e a pensar assim:
O que foi e o que podia ter sido.É nessa dualidade que se integra a escrita ficcional; a poesia, dita à maneira de Aristóteles, é o relato do que podia ter sido. A outra possibilidade, a que não experimentamos (e que, por isso mesmo, é a melhor)essa, às vezes convertemo-la em história que podemos dar a ler, pensando os outros que somos nós que estamos ali... é, pois, a arte suprema, diz Kundera, isso a que se chama a IRONIA.
E é disso que se alimanta toda a boa escrita ficcional; nada daquela que se lê à noite antes de adormecer, mas a que é digerida com trabalho e, por isso mesmo, a dá prazer.

1:27 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

É exctamente assim que eu penso, Palavrinhas!

A leitura fácil ´torna-se cansativa porque não traz nada de novo e não estimula o raciocínio!

Mestres da ironia, posso nomear allguns para além de Kundera: García Márquez, Jorge Amado, Eça de Quiróz, Gonzalo Torrente Ballester...

Todos excelentes, todos geniais, cada qual no seu estilo próprio...

CSD

7:54 PM  
Blogger GNM said...

Cláudia! Gosto imenso desse livro, a forma como tu discorreste sobre ele é fantástica!

Se o reler agora, depois de te ler, irei fazê-lo com outros olhos!

Desejo-te um excelente resto de Domingo...

9:12 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Obrigada GNM!

Saudades de "ver-te" por cá!

:)

Beijinho

1:10 PM  
Anonymous Marcos Cruvinel said...

Adorei sua explicação sobre o livro, já adicionei o "site" nos favoritos de meu navegador e recomendarei para meus amigos!!!!

Um escrito brasileiro que gosto muito é do Drummond, acesse o "link" abaixo caso não o conheça:

http://www.memoriaviva.com.br/drummond/index2.htm

11:40 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

obrigada, Marcos. Irei visitar o site o mais breve possível!

CSD

1:27 PM  
Blogger Luis Henrique said...

Terminei de ler "A insustentável leveza do ser" ontem, e, como de costume, hoje fui procurar críticas na internet e eis que me deparo com esta maravilhosa!
Parabéns!
Realmente, a cada dia me surpreendo mais com Kundera, possuidor de uma maneira absolutamente única de escrever, que nos prende a atenção indubitavelmente.
Parabéns pelo blog!

PS.: Português brasileiro! Espero que isso não seja problema.. =)

8:52 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Realtivamente a Kundera, não poderia estar mais de acordo!

em relação ao blog, obrigada.

Quanto ao português não te preocupes com isso! Li quase tudo de Jorge Amado e não tive o menor problema com o léxico brasileiro e sobretudo da Bahia!

1:11 PM  
Blogger Marli Carmen said...

Acabei de adquirir um exemplar do livro. Assisti ao filme e gostei, acredito que o livro será mil vezes melhor.
Bjs

http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

1:24 AM  
Blogger ALlan said...

Parabéns pela sua análise. Muito boa. Terminei de ler o livro neste domingo e gostei muito. Já havia assistido o filme, o que é fantástico pelas belas mulheres( hehe) em um momento histórico triste mas incrível.

Lamento não ter lido o livro antes do filme, mas recomendo antes. Sugiro, claro, ler o livro antes de assistir o filme. Comecei a ler outro livro do Kundera " livro do riso e esquecimento"
allanrc@gmail.com

9:09 PM  

Post a Comment

<< Home