HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

Blog sobre todos os livros que eu conseguir ler! Aqui, podem procurar um livro, ler a minha opinião ou, se quiserem, deixar apenas a vossa opinião sobre algum destes livros que já tenham lido. Podem, simplesmente, sugerir um livro para que eu o leia! Fico à espera das V. sugestões e comentários! Agradeço a V. estimada visita. Boas leituras!

My Photo
Name:
Location: Norte, Portugal

Bibliomaníaca e melómana. O resto terão de descobrir por vocês!

Friday, March 09, 2012

“A Criança em Ruínas” de José Luís Peixoto (Quetzal, Quasi, )








A temática relacionada com a perda e o desmoronar da felicidade perfeita da infância, semelhante à expulsão do paraíso dourado, um reduto que parece estar apenas reservado aos mais jovens, é a temática desenvolvida pelo Autor desenvolve em A Criança em Ruínas.
A inspiração, vinda do Livro do Génesis, serve de pretexto para explorar a eterna questão da busca da felicidade, que nunca será total, uma vez que as circunstâncias temporais dos momentos perfeitos nunca se repetem. Esta é a linha que norteia o discurso da obra de José Luís Peixoto e do homem que se oculta por debaixo dos escombros, num título tão intrigante como A Criança em Ruínas.
A desintegração/dispersão da família mais próxima, num primeiro tempo que compõe esta obra tripartida, culmina com a morte da figura de referência central: o pai. Depois, segue-se o processo do luto e o percurso do caminho inverso – o regresso do limiar dos infernos –, onde o Poeta não consegue resistir ao apelo da vida, exterior aos muros do edifício parental, em ruínas. Por último, o encontro com o amor como forma de redenção após o que se segue, de novo, uma perda.

O primeiro poema, intitulado Arte Poética serve de introdução, à laia de prefácio, ao conteúdo propriamente dito. Nele, o Autor explica não só o próprio conceito de poesia como também o caminho percorrido no sentido de transformar a escrita em arte. Esse caminho é calcetado de emoções. E a emoção sentida expressa-se como forma de arte, cuja meta é causar no leitor o impacto de um meteoro ao embater no planeta. Neste caso é um meteoro que provoca ondas de choque emocionais, arrancando o Homem a uma asséptica e doentia indiferença.

A visão do Autor acerca da vida e dos afectos aproxima-se muito da do estridentismo – movimento artístico surgido nos anos trinta, do qual fazia parte Frida Kahlo – onde “O poema não tem mais do que o som do seu sentido” - , ou seja, é fruto dos diversos sentidos ou significados emocionais que desperta no leitor.
Na primeira parte, a poesia de José Luís Peixoto traça um cenário idílico, embora já distante no tempo, arrancado aos arquivos da memória; a mesma poesia é identificada com a idade áurea onde tudo é perfeito, onde tudo é dado, oferecido, onde a felicidade é absoluta, mas da qual só se toma consciência depois de perdida. Aqui é introduzido o elemento ou o travo a tragédia, à maneira dos clássicos, em simultâneo com a intertextualidade com a Bíblia com a alusão ao mito da expulsão do paraíso, como alegoria ao ciclo da vida humana. A poesia é, assim, para o Poeta a memória do tempo da felicidade e do amor que já não estão presentes, nascendo da evocação de momentos perfeitos, mas cristalizados no Tempo e ofertados pelos deuses, sempre que estes decidem ser generosos.
Desta forma, o poema não surge unicamente de uma intenção estética, de jogos de palavras sem sentido, mas como fruto do amor, em todas as suas formas de expressão. E, na primeira parte deste volume tripartido, o foco situa-se na desintegração do universo familiar pela erosão do Tempo como podemos constatar mo poema:

na hora de pôr a mesa éramos cinco…
(…)
enquanto um de nós estiver vivo, seremos sempre cinco”.

O Autor mostra-nos que o casamento e a morte são os principais agentes que actuam em conspiração com o Tempo e, com ele, colaboram na diminuição do número de presenças físicas à mesa. No entanto, os lugares vazios, os espaços ocupados tradicionalmente por cada um continuam lá, a sublinhar a presença de quem já não está mas cujos traços se encontram gravados na memória e no quotidiano das presenças físicas. A ausência só se torna, assim, presença pelo recurso à memória, a qual por sua vez é veiculada pela saudade.

As anáforas sublinham sentimentos de perda como badaladas fúnebres, a marcar o ritmo da leitura, ditando o compasso e ampliando a dimensão do páthos. Daqui surge o desejo de imortalidade, que se imprime na escrita, como herança a deixar às gerações vindouras. O término do ciclo é marcado por uma certa desorientação ou desolação, face a um futuro onde falta a principal figura de referência, à qual a palavra “partilha” deixou de fazer sentido.

Na segunda parte descreve-se, como já foi referido, o caminho de regresso das imediações do Hades, estrada a partir da qual o Poeta observa, em atitude contemplativa, as mais obscuras profundezas da alma humana. A pontuação sincopada como que segmenta alguns dos textos, dividindo sintagmas, cortando frases, dissecando-as e seccionando o ritmo da leitura. Ao mesmo tempo, é enfatizado o sentido emocional do poema, ao dotar-se o texto poético da aura trágica, característica dos clássicos, como se pode ler no poema da página 39 “espelho, és a terra onde as raízes rebentam de mistérios”.

Apesar de tudo, o chamamento da vida sobrepõe-se ao lado sombrio da personalidade do Poeta cuja juventude e vitalidade o impele para o Sol, para a Luz e para a felicidade porque, o Poeta é, afinal, antes de tudo, amante da vida e do Belo… Como todos os poetas. Ao lermos “A primavera chegou antes do tempo a esta sala” percebemos que o apelo da vida, do lado de fora das paredes e das sombras a entrar pela janela, distraem o pensamento da dor, dissolvendo-a, ao mesmo tempo que dificultam a introspecção. É aqui chegado o momento em que o intui a vinda do amor que afasta o Inverno. Mas enquanto este não chega, a beleza e a felicidade são cantadas estridentemente pala natureza que se abre à vida e ao prazer e agudiza, ainda mais, a mágoa de uma alma que se encontra doente…

“…a minha dor é esta primavera que nasce e me mostra
que o inverno se instalou definitivamente dentro de mim”.

No poema que descreve a atitude da personagem, sentada na cadeira do alpendre a ver cair a chuva, o discurso poético lembra o “Monólogo de Isabel vendo chover em Macondo” e a fase melancólica da escrita de Gabriel García Márquez em “Olhos de cão Azul”, onde a melancolia é a tonalidade emocional dominante.

Eu sou um céu morto. Venceu-me o inverno e eu luto a seu lado para me
destruir. nunca fui criança. Nunca encontrei ingenuidade ou arrependimento.”

Aqui, o chamamento da vida e do quotidiano nesta fase de “A Criança em Ruínas” implica a prossecução de um caminho marcado pela errância, o caminhar às cegas, numa procura incessante da felicidade: a porta secreta para ao paraíso.

A terceira parte fala de um amor erótico e sublime, o qual pressupõe a quase que idolatria do ser amado e uma a admiração incondicional, aliada à vulnerabilidade de um eu submisso e deslumbrado”.

“…o amor é saber
que existe uma parte de nós que deixou de nos pertencer.
o amor é saber que vamos perdoar tudo a essa
parte de nós que já não é nossa”.

O lirismo toma posse da alma do Poeta, onde tudo parece ser, mais uma vez, perfeito, num cenário sempre idílico para os amantes. O vislumbre do acesso ao paraíso perdido. Ou do seu sucedâneo. Aqui homenageia-se o amor sublime que vitimou Inês de Castro, num poema de destruição pelas Fúrias que, por vezes, se servem de mão humana para, assim, privarem os mortais do acesso a uma felicidade perfeita. Um prelúdio ao conteúdo dos textos que se seguem e giram à volta, não de sujeitos históricos, mas de figuras anónimas. O presságio de mais um episódio de perda que será,  e de uma felicidade novamente perdida que será, então, idealizada e cristalizada, imbuída de uma aura de perfeição,pela acção selectiva da memória.

A saudade tinge-se, então, de melancolia e aflora ao âmago do Poeta pela evocação do bem-estar, associado à presença do sol de Estio. Como contraponto, a chuva despoleta um estado de espírito propenso à melancolia e ao spleen  de cariz baudelairiano.
A recordação de um primeiro amor de adolescente surge como um bálsamo e, a procura do sexo, como paliativo para mitigar o desânimo, são os elementos que compõem a criança em ruínas que é o adulto, cujos sonhos se liquefazem:

esse filho só de sangue que te escorre pelas pernas
sou eu…”

Segue-se, mais uma vez, o caminho de errância, ditado pelas Parcas. O Poeta terá de percorrê-lo, acompanhado da solidão que arde em fogo lento e o obriga ao um longo e moroso processo da reconstrução do edifício de uma felicidade arruinada, um trabalho incessante e inglório…

“…amor e morte: fingir que está tudo bem: ter de sorrir: um
oceano que nos queima, um incêndio que nos afoga”.

Ociclo da vida. O eterno retorno. Um incessante recomeço a partir das ruínas.
A “criança” chama-se Sísifo.

Cláudia de Sousa Dias
Publicado originalmente em "orgialiteraria" em 2010.

5 Comments:

Blogger M. said...

Está a falhar-me Peixoto, tenho de encontrar tempo para o ler nas próximas décadas ;) Soberba crítica, como sempre!
Beijinhos, bom domingo!
Madalena

10:40 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Já me faltava cá a tua presença...beijos


csd

10:47 AM  
Blogger Baudolino said...

Gostei muito. Da crítica e do livro de JLP.
abraço

5:41 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

<obrigada, Bau. Hoje irá ser postada mais alguma coisa. Já é tempo.


Abraço.

5:44 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

<obrigada, Bau. Hoje irá ser postada mais alguma coisa. Já é tempo.


Abraço.

5:44 PM  

Post a Comment

<< Home